Documento com sugestões para fortalecimento da cadeia leiteira gaúcha é entregue a Alckmin

O governador Eduardo Leite e o secretário de Desenvolvimento Rural, Ronaldo Santini, entregaram ao vice-presidente da República, Geraldo Alckmin, um ofício com reivindicações e sugestões para fortalecer a cadeia produtiva do leite no Estado. O ato ocorreu durante solenidade de anúncio da construção da primeira usina de etanol em grande escala do Rio Grande do Sul, em Passo Fundo, na manhã desta sexta-feira (4/8).

O documento – elaborado pela Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR) juntamente à Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Rio Grande do Sul (Emater-RS/Ascar) e à Federação dos Trabalhadores na Agricultura no Rio Grande do Sul (Fetag-RS) – ressaltou alguns pontos de atenção e apresentou alternativas visando à recuperação do setor leiteiro gaúcho.

Entre elas, está a construção de um espaço de negociação no Mercosul, a curto prazo, para discussão acerca da entrada de leite estrangeiro no Rio Grande do Sul. A intenção é criar um debate sobre uma política de cotas de importação e a implementação de políticas públicas com incentivos econômicos e fiscais visando ao desenvolvimento da cadeia produtiva leiteira.

Santini ressaltou que o setor do leite cumpre um importante papel na economia gaúcha e na maioria das famílias dos pequenos produtores rurais – seja como principal atividade ou como complementação de renda da propriedade.

“Vários eventos contribuíram para a crise que estamos vivendo: as sucessivas estiagens, a guerra na Ucrânia, o aumento do custo de produção e, agora, o excesso de importações no Estado e no país. Precisamos estabelecer relações comerciais que garantam não só o comércio de exportação e importação, mas também o equilíbrio da nossa economia interna”, afirmou Santini.

O documento sugere, ainda, melhorias em programas desenvolvidos pelo governo federal, como o aprimoramento das regras do Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro). São buscadas, assim, medidas que contemplem a cadeia produtiva do leite a fim de minimizar os prejuízos do setor; de construir uma agenda com a equipe técnica responsável pelo Cadastro Nacional da Agricultura Familiar do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (CAF-Pronaf) para discutir o desenvolvimento de linhas de crédito para os produtores; de fortalecer uma política de incentivo às compras institucionais; e de fomentar a produção por parte das agroindústrias familiares a partir da criação de linhas de financiamento para estimular os empreendimentos da cadeia láctea.

Anexado ao documento, Santini também entregou uma nota técnica sobre os efeitos das importações de lácteos pelo Brasil sobre a produção de leite no Rio Grande do Sul, elaborado pela Emater-RS/Ascar.